3 de agosto de 2012

“Olha, eu sei o que é guardar tudo pra si mesmo. A gente entra em casa calado, passa pela sala e abre um enorme sorriso, depois vai pro quarto, tira a roupa e entra no banheiro com uma enorme saudade, a gente abre o chuveiro e as lágrimas escorrem na mesma frequência. Em seguida, saímos do banheiro, vestimos uma roupa, e sentamos no sofá fingindo que nada aconteceu. E ninguém percebe. Nunca. E dói muito por dentro. Mas ninguém se importa, questiona, ou entende.”

Nenhum comentário:

Postar um comentário